23 outubro 2020

Poemas de amor - A ela restam-lhe as amoras

 




A vontade é gritar seu nome
até lhe ensurdecer.
Este amor desatinado é o quê?
Que a enlouquece em suas horas
e deixa pele e alma afloradas?
É o desejo louco que a tome.
A voz, por mais que tente, emudece
confusa, inerte, represa a malícia
faz de conta que não vê
a indiferença que a consome.
Tenta fugir dos devaneios
coloca-os de lado a divagar
junto a fotos e telas penduradas
de rostos e olhares imóveis
que parecem censurar-lhe:
– Por que choras?
O cheiro do mato a acaricia
volta-se ao pé da amoreira
onde amoras estão caídas
ávida prende-se a colhê-las
sem saída devora-as.
@soninhaportopoa

0 comentários:

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons