28 dezembro 2017

Tribos urbanas


Tribos urbanas

Assim como ocas ocas,
Sem seus índios
Que saíram para caçar...
E foram caçados
Pelo ser (des) humano...

Mas, mano, vamos à realidade paralela:
Os índios voltaram com a caça,
Com a raça, a graça,
O pescado, o suor bento
E o ensejo para um ditoso festejo.

O precipício perdeu boa parte do seu encanto,
Deixando fraco canto
E a sensação de não ser mais original.

As estrelas tornaram-se mais convidativas,
E o amor na ativa,
Com sua calentura e seu interminável brilho,
Astuciosamente esculpe o seu brio:
Antônio Francisco Lisboa – atemporal.

Vem à luz amistosa,
A luz da Lua cheia;
Centelha, faceira,
Que parece acariciar o vento.

A luz e o vento
Caminham pelas ruas de pedras
Através das sombras dos postes,
Driblando os bêbados e árvores.

Dobram as esquinas
E passam de janela em janela,
De porta em porta.

Passam pelas casas antigas,
Casas recentes e silentes,
Casas de Ouro Preto.

Por longas datas as bocas gritaram,
Cantaram e se tocaram em desejos.
Corações se uniram
E se iluminaram em suas vielas.

As bocas deles e delas
Perpetuaram e protegeram
Todo o – e o de sempre – luar.

O lugar e o legado,
Agora foram contidos pelo silêncio.
São todos – é tudo!

Só por um instante:
Um minuto de tributo!

André Anlub®
(16/11/14 – releitura 2017)

0 comentários:

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons