02 maio 2016

Quem caça um poema?


Quem caça um poema?
(André Anlub - 1/7/11)

Já nem sei por onde anda...
No gole, na gola, na manga;
Nem sei de onde veio...
Do ventre, da saia, do seio.

Sei que em bares é citado,
Amado e temido.

Sei que fica exposto aos olhos
E dos olhos sorve o pranto...
Das mãos às vezes é santo.

Dizem que é dissabor e contentamento...

No seu corpo tem amor,
No coração, lamento;
Dizem a má e a boa língua
Que é terra, mar e vento.

Viva e deixe viver, 
pense sempre alto, 
curta a vida que é curta... 
não ande pelado no asfalto, 
mas também não vista uma burca.

0 comentários:

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons