29 maio 2014

Um Moinho


Um Moinho*
(André Anlub - 3/8/10)

A travessia é dura,
Dias de chuva - noites de frio
Dias bem quentes - noites sombrias.

Nesse caminho confuso,
Nessa estrada sem placas;
Entre o reto e o obtuso
Todos afogam suas mágoas.

Com a bota furada,
Pisando em barro ou em pedra,
Pronto em pé ou na queda,
Tiro o melhor na caminhada.

Se encontro uma rocha grande:
- serve para descansar
Se encontro um mar:
- sou filho de navegante.

Se a fome quiser ser minha sombra:
- como um pedaço de pão
E se não saciá-la:
- posso matar um leão.

Tudo posso e tenho
Se a força não me faltar...
Como um moinho de água,
Que mesmo se o poço secar,
Usa o vento pra roda...
Nunca parar de girar.

(*Menção Honrosa no I Prêmio Literário Mar de Letras, com poetas de 
Moçambique, Portugal e Brasil, ficando entre os 46 primeiros 
e assim participando do livro Controversos.)

0 comentários:

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons