01 dezembro 2013

UM POUCO DE PROSA

UM POUCO DE PROSA...
Marcia Mendes 

Ontem, conversando com uma amiga, doutora em Letras, eu disse que poesia e psicanálise tangenciam-se. Foram momentos enriquecedores de mútua contribuição.  Percebemos uma fonte fecunda de idéias, teorias e vertentes a serem investigadas. 
Em Freud, o poeta fala sem saber aquilo que o psicanalista chegará a concluir após muito estudo e reflexão. É no obscuro que o poeta captura a palavra. Psicanalistas e poetas procuram, na verdade, vestígios do indizível. A imagem sustenta a palavra poética. A sensoralidade do poema é percebida pelo leitor que acaba por emocionar-se com o texto. E aí, busco em Lacan, "mas basta escutar a poesia... para que se faça ouvir uma polifonia e se veja que todo o discurso se alinha nas várias pautas de uma partitura". E eu digo assim, poesia é música, é corpo, é alma que fala. O poeta ressuscita em si aquilo que dentro de si quer morrer. Concluo com Manoel de Barros que diz: "Quem acumula muita informação, perde o condão de
advinhar: divinare.
Os sabiás divinam." 
Sou poeta, minha escrita pulsa viva, o leitor me legítima, quero é encantar. Então, sigo como uma aranha, tecendo meus textos em sublime-ação. 
Rio, 01 de dezembro de 2013 
Marcia Mendes é psicanalista, escritora e poeta. 

3 comentários:

soninha porto disse...

O poeta transita nos mais profundos recônditos da alma humana, feliz daquele psicanalista que ao perpassar seu olhar sobre cada verso à luz de sua sensibilidade, chegará perto de entendê-lo.

Bjs linda escritora.

Marco Araujo disse...

Muito bom texto!

Marcia Mendes disse...

Obrigada, Soninha Porto e Marco Araújo, bjuss

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons