08 dezembro 2013

DO PRIMEIRO MANDAMENTO





DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Primeira tábula)

Não visiteis ninguém
para não serdes visitados.
A ninguém deis vossa luz 
para não serdes apagados.

Nem ao próximo como a vós mesmos
nem aos vossos irmãos enfermos
nem vossas mães nem vossos pais.

Não visiteis nenhum abrigo
nosocômio ou rendez-vous.
A nenhuma reunião patética.
Deixai em paz os deserdados
que deverão morrer como nasceram
– de alma nua e esperança histérica.
Como a herança transmissível
da miséria sóciogenética. 



DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Segunda tábula)

Essa fome de amor 
não é vossa descoberta.
Nem Freud quis saber de nada sobre ética.
É da deformação atípico-cromossômica
dos bastardos retransmitir o vírus da apatia
na segregação euroafroasiáticolatinoamericana
como moléstia de grandeza 
desprezível.
A miséria fatalista
passa... Mas a herança miserável fica.
A solidariedade humana abraça. 
Mas vosso amor não ratifica.

Os flagelados terceiromundistas não necessitam
de vossos cacoetes anacrônicos de culpa
nem da quebra de protocolo de vosso 
faustoso exílio 
de gabinete.


DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Terceira tábula)

Distanciai-vos dos necessitados
para que eles não vos peçam nada.
Não visiteis os órfãos de esperança
nem os filhos de conflitos
entre pais de alma 
currada...

Deixai que a brisa à noite lhes afague a fronte
como as pálidas mãos de Verônica à face do martírio.
Não vos aproximeis demais dos que são loucos
para que não vos possam transmitir
o seu delírio irreversível...

Esquecei-vos das prostitutas.
Não as importuneis com vossa gonocele diluvial
disfarçada com lacinhos de fita das caixinhas de bombons.
Não lhes presenteeis com esse celibato quaresmal
cheirando a sebo de biblioteca do reino medieval.
Deixai as belas com seus troponemos de estimação
e as feias de acantose nos braços de Melpigui...
Vossas ânforas seminíferas não contêm
as propriedades eritromicinais
do beijo fálico e penetrante
nem a afrodisia do abraço antibotrópico
do misantropo amante.


DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Quarta tábula)

Secretamente buscaríeis nos prostíbulos
vosso cupio dissolvi numa casta Guiccioli
ou numa pérfida Madame Bovary.
Mas as Jocastas não estão ali.
Elas estão pelas cidades cenográficas do mundo:
televisões jornais revistas cassinos de subúrbio jogos clandestinos
apart-hotéis de luxo estúdios jantares de embaixadas shopping-centers jockey’s club e mais outros desbundes 
de rameiras miladyzadas...

Definitivamente, nada!
Não visiteis a mais ninguém e nem a mulher amada...
Nenhuma rua nenhum parque nem cidade nem país.
Nem o Iraque devastado nem a zona desmilitarizada.
Nem os bosques de Viena ou de Dexville Notch.
Nem as muralhas da China ou as torres da Bastilha.
Nem os muros das lamentações de Parati.
Nem o muro ainda envergonhado 
de Berlim...



DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Quinta tábula)

Não visiteis 
nenhuma universidade.
Nem a dos eruditos sábados dos botequins.
Nem os devotos jardineiros suburbanos
que cultivam as flores casuais
renascidas indifentemente 
na fenda das calçadas
municipais...

Deixai as flores para as borboletas
e aferrolhai as portas de vossos aposentos
que ao vosso domicílio a brisa não invada
com o perfume renovado das heras rastejantes 
dos jardins abandonados... 

Mas se por causa da décima primeira praga
tiverdes que deixar a casa não pichada pelo anjo 
e não houver nenhum perfume como o incenso do jasmim
ou qualquer coisa assim...


DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Sexta tábula)

Luminosa manhã!
Visitareis primeiro a vós mesmos.
Depois retribuireis a própria visita
num gesto contraditório em favor da paz que urinastes no horizonte perdido da infância...

Pela paz 
das nossas mulheres e crianças violentadas
pela paz eventual do divino instante do desvio de trajeto da bala perdida... consentida... transmitida... retransmitida... homicida...
pela paz concebível por trás da venda inconcebível da justiça
pela paz afogada no dilúvio de lágrimas de nossos pais
pela paz que perdeu o barco da travessia humana
da corda da forca que não arrebentou na hora
da contramão da esperança sem freios
do moribundo que a morte esqueceu
do apito final do jogo perdido
da gargalhada comprada 
que o palhaço devia 
e não deu... 


DO PRIMEIRO MANDAMENTO
(Sétima tábula)

E finalmente visitareis os mais próximos de vós mesmos
se não houver enfermos que vos peçam votos.
Então a vossa mãe e só então ao vosso pai
principalmente se já estiverem mortos.

Mas na hora da visita obrigatória
a Deus... Ah, gente! É aí que a coisa vai pegar...
A gente vai ter que ajoelhar se não puder
e implorar
e chorar
e pedir
e orar
e ir
até aonde Deus quiser! 


Afonso Estebanez

2 comentários:

Reggina Moon disse...

Que maravilha...li de uma só vez!...De uma certa complexidade fascinante!...Meus parabéns Poeta!!

soninha porto disse...

Maravilhosa peça poética!

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons