05 novembro 2013

Qual Foi a Última Vez por Jacqueline Aisenman

Das primeiras vezes, tendência dos anos, lembramos quase todas. E se mesmo algumas esquecemos porque fazemos questão, elas ali estão, não estampadas, mas em branco em preto, exibindo-se para nós. Primeira vez de coisas que sonhamos e de coisas que nunca imaginaríamos fazer.
Mais ou menos como o primeiro passo de criança, que depois deslancha a andar e se perde aí pela vida que nem mais os pais acham para por a mão em cima e o coração de lado. Suspiros. De primeiras vezes.
Imagem by Louisebittersweet
Mas e a última vez? Qual foi? Quando foi? Por que foi? Está assim meio apagada mesmo no propósito de fazer de conta que se foi de vez ou é só uma insinceridade passageira da memória? Qual foi a última vez que uma gargalhada venceu sua resistência e estourou ruidosa num ambiente qualquer? Qual foi a última vez que uma lágrima teve o peso de chumbo ao cair de seus olhos, levando para baixo sua cabeça? A última vez que caminhou sem se preocupar com o tempo? A última vez que não desejou acordar?
Qual foi a última vez que recebeu aquele beijo molhado com gosto de apaixonado? E a última vez que olhou no espelho e viu alguém parecido com você mesmo? Qual foi a última vez que sentiu medo? Que sentiu fome? Que teve frio? Que sentiu aquela alegria incontrolável?

Dos tantos contos abstratos que formam a nossa vida, alguns são reais, outros são os sonhados. As cores, os pincéis, papéis, as ferramentas, tudo o que aos poucos vamos utilizando na construção de rotinas. O que dá continuidade ao que foi um dia uma primeira vez.

Teria sido alguma primeira vez sua, também a última? O que fez calar a sequência? Quem ou o que fez isto em você? Você mesmo? Ou seu dedo já se ergueu apontando?

Mas se a vida seguiu, girou o mundo. Qual foi a última vez em que recebeu alguém porta e coração adentro? Qual foi a última vez que disse basta e bastou? Qual foi a última vez que se sentiu bonito? Qual foi a última vez que se sentiu fraco? Qual foi a última vez que dançou, passos leves, braços dados?

Qual foi a última vez em que se despiu com prazer? Qual foi a última vez que se armou para uma guerra? Qual foi sua última vitória? Qual foi sua última peste? Qual foi a última vez que recebeu flores? Qual foi a última vez que entregou seu coração? Qual foi a última vez que viajou de olhos abertos?

Qual foi a última vez que gritou mais alto que o mundo? Qual foi a última vez que ousou ser o que já é por dentro? Qual foi a última vez que alguém lhe disse não? Qual foi a última vez que você disse não a alguém?

Um dia haverá a última palavra, último momento, último suspiro. Que serão contados e lembrados por outros. Mas todas as outras coisas, primeiras, durantes e últimas de nossas vidas, são inestimáveis instantes dos quais apenas nós mesmos conhecemos o valor.

Por isto, a questão deveria ser constante. Para que de suas respostam pudessem surgir novas sequências: Qual foi a última vez? Qual foi a última vez? Qual foi a última vez que...

Jacqueline Aisenman

2 comentários:

Reggina Moon disse...

Belíssimo e reflexivo texto!!Parabéns...
Dentre todos esses questionamentos que você citou, a resposta a cada um está na esperança que tenho na vida, pela última vez, fazem 5 minutos...Reggina Moon ........ Beijos!

soninha porto disse...

Jacqueline posso dizer que vc é uma das grandes pensadoras de nosso tempo, maravilhoso!
Posso dizer que a minha última vez, não me reconheci diante do espelho, agora tento me reconhecer novamente, Bjs

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons