19 maio 2011

Pedras

EDWARD HOPPER – O Pintor Da Solidão




Frases feitas, fast food
avenida interminável de reflexões,
liberdade perigosa limpa
os pratos do destino passado
em estranho puro e mais muito mais
numa tarde de cinema segurando a barra.

Tudo isso de novo desculpe, não, não vou continuar
nesses passos de calor dos sons dos tambores,
deixa assim pois,
falamos todos em sono e como falamos pelas
batidas do tambor em nosso sono.

Quem está na outra extremidade?
 quem realmente se importa?
conversas do sono
 e essa noite pode me matar,
por não estar com você
para fazer efeito.

Silenciosamente todo reflexo
 se torna um mundo de pedra,
pensa bem quando Abel fitou Caim
na pressa tomou pílulas de pestilência,
mas o céu sabe, o céu sabe de tudo.
Acalme-se
o muro de Berlin já caiu
você esta certo
e eu estou errado.

Sou um simples homem enquanto você pisca os olhos
vou indo embora sem drama de Hamlet
porém fiquei louco igual MacBeth
porque a terra mudou seu curso sem remorsos,
ouve-se o canto do coral entoando uma canção triste.

Para deixar tudo um pouco mais doce te digo,
sou um grãozinho de areia em seus olhos,
enquanto piscas os olhos vou indo
dinamitando pedreiras é meu coração
dizendo te amo vai saber
tudo é alegoria no precipício de violinos
que insistem nos ouvidos da Ofélia .

Aharon

0 comentários:

Postar um comentário

POEMEM-SE SEMPRE!
SEJAM BEM-VINDOS!

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons