07 novembro 2020

E-book TEXTURAS - Participantes 2020

O novo E-book "TEXTURAS", unindo poetas e artistas plásticos e digitais do Brasil e Espanha, vem pra celebrar os 14 anos da POEMAS À FLOR DA PELE, sob a direção de Soninha Porto



28 outubro 2020

Poemas de amor - Ontem dancei com você


Rostos colados
mãos entrelaçadas
corpos acalorados
falávamos aos sussurros
bailávamos no absurdo
corações aos pulos
no senso poeta da loucura
a pintar o amor sem censura
e gestos sem entraves
a música tocava suave
a paixão sempre se atreve
os olhares diziam tudo
falavam do amor profundo
escondido do mundo
amaram-se em breves instantes
feito dois errantes
nos braços do paraíso.
A música parou, que desatino!
Pensar que ontem dancei
--------------------hoje, sem você.

@soninhaportopoa

 

23 outubro 2020

Poemas de amor - A ela restam-lhe as amoras

 




A vontade é gritar seu nome
até lhe ensurdecer.
Este amor desatinado é o quê?
Que a enlouquece em suas horas
e deixa pele e alma afloradas?
É o desejo louco que a tome.
A voz, por mais que tente, emudece
confusa, inerte, represa a malícia
faz de conta que não vê
a indiferença que a consome.
Tenta fugir dos devaneios
coloca-os de lado a divagar
junto a fotos e telas penduradas
de rostos e olhares imóveis
que parecem censurar-lhe:
– Por que choras?
O cheiro do mato a acaricia
volta-se ao pé da amoreira
onde amoras estão caídas
ávida prende-se a colhê-las
sem saída devora-as.
@soninhaportopoa

09 outubro 2020

Um homem que sabe criar


 imagem google



a força que vem de ti
esparrama-se por aí
intenso coração que abraça
humanos e animais

a luz, sons e imagens
são teu cais

tua mente e verdades
lemes que vibram por demais
de olhar atento e temperado
por profundo amor e poesia

tão belas criações subsidia
em certeiros momentos
em ritmo acelerado
tudo vira iconografia

-----um homem que sabe criar

o que banal e escondido
basta uma simples olhadela
para dominar a parafernália
e agitar botões, cliques e telas

espanta o mundo
em segundos

e a alma é doce e cheia
de bondade, talento e humanidade
único
e parte do todo a viver nesta aldeia

----------um homem que sabe criar

que o mundo ampare teus sonhos
de ti provenha força e dignidade
com teu valor encante os dias
e transmute vivências que precisamos.

Soninha Porto
@soninhaportopoa

Agradecimento a Ale Abdo pela criação da vinheta Poemas àFlor da Pele
https://youtu.be/lMFUgeRpL3c

02 outubro 2020

Comungar com a natureza


 

25 setembro 2020

Você sabe por que desabei no chão, num aniversário de 15 anos, ali no Partenon Tênis Clube?


Aqui em Porto Alegre, pois é.

É tarde de sexta-feira e as lembranças chegaram, num marasmo de mais um dia em casa, aliás, desde março só me permito as saídas muito breves à farmácia e a supermercados, reforçada com álcool gel em punho, máscara cobrindo o rosto com todos os cuidados no distanciamento de mais de um metro e depois,  a torturante lavação das compras.

A pandemia ainda é um bicho-papão, mata todos os dias desde março, em menor e maior escala, em países desenvolvidos ou não, em todas as classes sociais, religiões, faixa etária, brancos ou negros.  Não tem preconceito.

E não consigo me calar, queria agarrar um pelo braço e dizer: Vai pra casa!

Os inconsequentes estão por aí mesmo, sem acreditar andam fazendo aglomerações, promovendo festas, saem às ruas sem máscaras, sem respeitar o outro, sem o distanciamento tão necessário para evitar o contágio desta doença terrível: o Coronavírus. Até que alguém próximo a eles apresente a doença, não é verdade? Gente, enquanto não houver vacinas não tem como se aventurar! Também gosto de sentir a brisa no rosto, o sol tocando a pele, o abraço entre amigos e a cervejinha gelada no Boteco da hora. Mas ainda não é chegado o momento.

Mas voltando a minha tarde em casa, acomodada à frente do computador, que brilha e me chama e que me fez lembrar do meu tombo homérico.

Aqui breve pausa, não posso deixar de dar vivas a esta maquininha, que mudou drasticamente minha vida, de forma totalmente aleatória, quando compramos o primeiro computador para a família.

Tornei-me uma admiradora voraz das delícias do virtual, pois pude me aproximar de pessoas, de tantos lugares, até fora do Brasil, muitas se tornaram reais em meu dia a dia. Alguns me despertaram o gosto por escrever, transformaram meu olhar, tanto para dentro como para fora. Brotou assim, a poesia em minha vida. Estas pessoas são verdadeiras, que compartilham comigo essa arte, que nasceu em mim nesta época, há mais de vinte anos.

Bem, estava então vamos lá, estava a navegar pelas redes sociais e aplicativos, Facebook claro, uma atenção diária e especial, nos aplicativos WhatsApp para responder aos amigos suas mensagens, não é preciso mais telefone fixo, você já pensou nisso? E no Youtube para viajar nas músicas de ontem e de hoje, prestigiar amigos em seus canais e ver novidades em todas as áreas. Pois nesta hora de ouvir músicas, de repente, vejo um rosto e uma música que me encantaram quando era jovenzinha. Saca aquela época de reunião dançante? Era o grande barato da minha adolescência.

Qual música e qual rosto?

Não conto nem sob tortura.

Este som e o belo rosto me fizeram viajar no tempo, olho lá fora o dia claro pelas janelas, mas na verdade estava viajando por dentro. Aos tempos de 'adolescer’, desabrochar, crescer! Não havia preocupação com o corpo e com o rosto, a natureza abençoava com frescor e beleza o fato de ser jovem.

O romantismo estava no ar naquelas minhas lembranças, regadas por músicas dos anos 70, 80 e por aí, e que estão agora, aqui na minha sala, ao fundo.

Uma sensação acalorada toma conta de meu ser, fico toda arrepiada a reviver tudo o que vivi, tantos momentos maravilhosos.

O coração aperta, a boca saliva, uma euforia que não sei de onde vem e o corpo sai a dançar, como se tivesse com o rostinho colado naquele "boyzinho" da hora, o mais cobiçado da festa.

Delicioso! Me fazem rir sozinha, de lembrar dos risos das amigas até a barriga doer, treinar passinhos de dança - éramos as mais requisitadas das festas – ir a reuniões dançantes e correr para toalete para retocar batons e maquiagens, olhar os cabelos se estavam bem lisos, espichados com a ‘touca’ de horas e horas e, claro, falar dos caras que estavam na festa e que nos interessavam.

Mas os ‘micos’ aconteciam, esse do resvalo na festa foi hilário.



E no colégio? As “patotinhas” eram grandes, sempre a esconderem-se no banheiro pra fumar um cigarrinho ou nos cantos a espiar as freiras que com aquelas roupas escuras, cheiravam a naftalina, e nós loucas para puxar os véus.

Aprontávamos todas as folias, das mais inocentes possíveis, mas sofríamos penalidades, pais chamados e as danadinhas se acalmavam por um tempo, mas logo voltavam a fazer as peraltices.

E os sonhos com amores impossíveis, pelos ídolos da música?

Inclusive por este maravilhoso que canta a minha velha música predileta e que me inspira até hoje e faz ressurgir pensamentos e criar palavras para movimentarem-se entre minhas histórias e memórias sem parar.

Imagino que o leitor e a leitora estejam doidos pra saber qual música e quem é este famoso. Segredo.

Lembrei, também, que um dia visitando uma amiga de minha Mãe, o seu filho, um cara bem mais velho me disse:

- Tu és linda! E me olhava com olhar penetrante.

Ficava eufórica, sem dormir, a sonhar com aquele rosto e a reviver seu sorriso, virando de um lado a outro na cama, eram as marcas que ficavam  da primeira paixão, hoje penso que era assédio, hum... afinal ele era muito mais velho e eu uma menininha de 15 anos.

A música toca insistentemente em meu computador e me leva em ondas às paqueras da ‘Rua da Praia’, em frente à Malcon, era estranho, mas funcionava. Dávamos voltas e mais voltas entrando e saindo daquela Galeria só para olhar ‘aquele cara’, com calça boca de sino, magrinho e cabeludo – sim, quanto maior o cabelo mais bonito -, de olhar convidativo, mas que no final não passava disso.

Ah, e o amor eterno, aquele que pegasse a minha mão e num ímpeto me cobrisse de muitos beijos ardentes, para deixar o coração batendo acelerado? Fiquei a rodopiar na minha sala, ao som da bela música imaginando a cena.

Aí me lembrava da dúvida, como será que é beijar?

Não sabia nada das coisas do amor, mas só de pensar num beijo já sentia os pequenos toques, que me faziam vibrar e traziam sorrisos e luz ao meu rosto.

Isso tudo surgiu e me deu a noção de estar ali naqueles momentos, vivendo as mesmas sensações. E nas descobertas, a cada dia o corpo mudava, os seios tornavam-se maiores e surgiam as curvas, numa pequena mulher, mas que nada era suficiente, faltava algo:

- porque não nasci com olhos verdes?

– porque sou tão pequena?

Era a insatisfação da adolescência de não se aceitar e ficar horas na frente do espelho a se perguntar porquê.

Doía, já que eram estes os motivos por não ter o amor “daquele”, alvo de seus sonhos. E não ter o que se queria, tornava-se impossível, ainda mais quando o “eleito” desfilava com outra, que parecia tão perfeita, muito diferente do que eu era. Lógico, o mundo desabava na cabeça, não tinha passes de mágicas possíveis, rezas, promessas, mesmo recebendo todos aqueles olhares profundos, os rostos colados e ser a ‘tal’ na dança da moda.

Conformava-me. O jeito era voltar a brincar de casinha, com as bonecas e parar de crescer.

Continuo a rodopiar ao som da música, aqui na minha sala, a memória viaja e lembro de sonhar em viver um amor de verdade, com final feliz, porque nos contos de fadas isso era bem destacado “felizes para sempre”.

Porque se preocupar tanto com finais felizes, quando o importante é viver a cada dia. Bem, mas esta constatação é depois de mais de 60 anos vividos, que se fosse dito a uma menina de 18 anos, dos anos 70, ela daria risada e acharia uma grande bobagem.

Ai, ai, nesta época vivia-se os encantamentos do primeiro amor, do primeiro beijo e do desabrochar em flor nos braços de seu escolhido.

Ah, e ele chegou com cabelos encaracolados, olhos que sorriam e me fizeram descobrir o desejo e o amor.

Era amor?  

Pareceu ser, tantos beijos, tantos amassos escondidos em lugarezinhos mais escondidos ainda. Dali passado muitos primeiros amores, foi um pulo para viver a ilusão do vestido branco, a festa e as juras eternas que, no entanto, foram esmaecidos em dias tediosos, que fecharam as portas atrás de si,  para sempre, foi-se aquele que tinha nas mãos a minha felicidade e a esperança do tal  final feliz escorreu pelo ralo.

Algo se quebra e não tem cola possível de consertar,  a vida perde a cor, e  vem um desejo louco de tudo dar certo, a vida  passa a ser uma busca desenfreada para ser feliz, com uma carga de culpas e sem perdão, que só leva a uma coisa: uma sucessão de erros e tropeços que amontoam desilusões.

Embora tantas lembranças tocantes e divertidas a realidade bate e te faz ver que o mundo não é um moranguinho, e está diante de nossos olhos o destino ou nossas escolhas que nada tem a ver com aqueles sonhos de menina que ficou lá trás.

Fiquei a ouvir repetidamente a minha música e a olhar aquele rosto lindo, que me encantava, de olhos verdes, que fez sucesso com suas músicas pelo mundo todo.

Hoje ele é um senhor, bonito ainda. Chorei, dancei e ri muito, que tarde gostosa comigo mesma! Levo a vida ainda a acreditar no amor, mesmo que seja só cisma minha. Entendi e, mal sabia, que ser pequena e ter olhos que lembram uma japonesa, são o diferencial.

Fico a rir destes tempos inocentes, que se pensava que o mundo era só isso. Nunca imaginávamos que vivíamos paralelamente momentos tão duros como os porões da ditadura, vergonha nacional até hoje.

Na verdade,  uma grande mudança de costumes estava acontecendo, desde o Festival de Woodstock em 1969, com as loucuras do movimento “hippie,   músicas,  drogas, sexo livre, a chegada na minha casa da televisão e um novo toca-discos onde se ouvia Beatles, The Mamas And Papas, Roberto Carlos e só se falava em Jovem Guarda. E aquela hora especial de ficar a ouvir o meu preferido, o meu inspirador desta tarde.

Bem, aí você pergunta, não vai dizer o nome do cantor, tudo bem. E a queda no aniversário, não vai contar? Esqueceu?

Não esqueci e nunca vou esquecer, foi a maior vergonha que passei na vida. Saca 16 ou 17 anos, onde tudo tinha de ser perfeito?

Quando comecei os namoricos por essas idades, conheci Carlos (o nome que vou dar a ele), enquanto namorava o menino mais bonito da praia de Pinhal, o Ricardo (fictício). Eu e minha amiga Adê, sua irmã e seu Pai, fomos de férias para aquela prainha tão famosa aqui do Sul (dos anos de 60 a 80) e claro, os pretendentes chegavam, éramos jovens e bonitinhas, enfim.

Resolvi optar pelo novo menino, terminei sem dó nem piedade, com Ricardo (maldosinha não?) por ser o Carlos charmoso, sedutor, mas não durou muito, que chatice, passado o encantamento, para começar as constantes investidas de avançar o sinal, ainda não me achava pronta, resolvi dar um ponto final ao namoro.  Ele não gostou nenhum um pouco, mas enfim, fiquei sem nenhum.  

Passados alguns meses, fomos convidadas para um aniversário de 15 anos, no Partenon Tênis Clube, não lembro o nome e nem da menina, falei com a Adê:

- Vamos encontrar o Carlos lá, ele mora no bairro, estará lá, com certeza.

- Ah, deixa pra lá. Respondeu ela.

Na verdade, fiquei nervosa ao saber que iria reencontrá-lo, porque nosso término não tinha sido tão bom. Não deu outra. Ao avistar a figura de longe, no meu nervosismo, me desiquilibrei e caí embaixo da mesa de aniversário! Onde enfiei a cara? Embaixo da mesa, oras. Hoje rio muito da situação de vestido comprido, salto e com a cara no chão, literalmente, não sabia se chorava, se corria, ai Meu Deus, só vi todos os olhos voltados para a minha situação. Foi castigo?

E agora, está ai a música é “Não, eu não consigo acreditar no que aconteceu, era um sonho meu. Nada se acabou, não, é impossível não consigo viver sem você,  volte venha ver,  tudo em mim mudou .... Eu já não consigo mais viver dentro de mim e viver assim é quase morrer...   Márcio Greyk.

As lembranças trazem saudades de um tempo que não volta mais, mas ao decrevê-las depuramos um pouco as marcas de dentro. Aromatizei as boas e expulsei as ruins junto com o vento da minha tarde gostosa.

24 setembro 2020

Sou incomum

Sou incomum, sou errante, sou poeta.
Regras não me regram, erro e sem culpa, vivo o óbvio e o incerto.

 Momentos alimentam minha poesia, saboreio tudo com muito gosto e guardo aqui dentro pura intensidade.


Soninha Porto 


 

22 setembro 2020


 

 

Olá pessoal, tudo bem? Deixo, abaixo, algumas informações importantes para a realização do nosso 

E-BOOK TEXTURAS! Temos várias pessoas inscritas e até o momento algumas ainda não enviaram

o material, lembrando que o prazo é até 31/10, não deixem para última hora, ok?!

Resumindo as informações do Regulamento para vocês:

·        Cada autor poderá enviar um texto com tamanho máximo de 20 linhas, sem imagens, em prosa, 

poema, soneto, poetrix e haicai.

·         Cada artista poderá enviar uma imagem, com uma boa resolução, com mais de 300 pixels. 

O artista plástico ou digital que também deseja divulgar textos terá desconto na participação.

·         O valor da participação com poema ou imagem será de 50,00 por página.

·         O valor da participação com textos e imagens será de R$ 80,00 por página.

 

Seguem os dados da conta da direção da Poemas, conforme fornecida no Regulamento por

e-mail, quando da adesão.

·         Caso necessite do CPF para transferência, favor solicitar no WhatsApp 51-982230759.

·         Após efetuado depósito, favor confirmar no e-mail heisoninha@gmail.com. O envio do material 

e autorização também deve ser para o mesmo e-mail.

 

O E-book tem uma dimensão maior que o livro, porque é divulgado virtualmente 

em diversas plataformas, e para impedir plágios pedimos a todos os coautores enviar 

seus trabalhos com a autorização abaixo preenchida.

AUTORIZAÇÃO

 

Eu, .......................................................... RG nº .............................., libero meu(s) trabalho(s) de (título(s) e especificar aqui se é texto, arte tradicional ou arte digital), em anexo, de minha autoria, para Sônia Maria Ferraresi, RG nº ......................(será informado na confirmação do recebimento), para inserção no E-book TEXTURAS. O E-book será divulgado por seus próprios autores, e veiculado, da forma que cada autor considerar mais adequado, respeitando e preservando sempre os direitos autorais e a formatação original do trabalho. Também será veiculado pela comissão organizadora Poemas, que dispõe do Portal Poemas à Flor da Pele, e-mails, blogs, sites, entre outros. Com a divulgação ficam preservados, na referida obra, os direitos autorais de cada autor, lembrando que plágio é crime previsto por lei. Concordo com todos os itens do regulamento da realização do E-book e acatarei as decisões da equipe organizadora. (Local e data).

Aproveitem e vejam os E-books anteriores da Poemas (Almas mais Apaixonadas, Arrebatamentos, Emoções, Entretons, Fragmentos e Nuances) nos links abaixo.

https://civana.com.br/categoria-produto/poemas/

https://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/ebooks/index.php

 


Qualquer dúvida me chame, ok? 🙂🌺

Carla Ivana

Fale Conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons